Infográficos bons vs. maus: O que há num design excelente?

Saiba como criar infografias eficazes compreendendo os elementos-chave, utilizando técnicas de visualização de dados adequadas e incorporando princípios de design para envolver e orientar os espectadores.
Última atualização 1 de novembro de 2023

Não é necessário ser um dínamo do design para criar uma boa infografia. Tudo o que precisa são os ingredientes certos: bons dados, uma ferramenta de design básica e uma compreensão dos princípios de design fundamentais.

Este último ingrediente pode parecer assustador se nunca tiver criado uma infografia antes. Mas não se preocupe! O resto desta publicação do blogue aborda os elementos essenciais de um bom infográfico e destaca as qualidades que levam aos piores infográficos. Também verá muitos exemplos de infográficos bons e maus.

Criar o seu próximo (ou primeiro) infográfico será muito fácil se tiver esta receita em mente.

Em primeiro lugar, o que é uma infografia?

Um infográfico é um desenho longo que conta uma história através da apresentação de dados e outras informações complexas de uma forma fácil de compreender e visualmente apelativa.

Pode pensar num infográfico como um ensaio visual. Começa com uma tese - que é o ponto principal que pretende defender - e depois utiliza uma variedade de visualizações de dados e quaisquer outras imagens e textos relevantes para apoiar essa tese.

A infografia abaixo segue o formato de ensaio visual.

Infografia sobre a obesidade dos animais de companhia

Fonte: Holiday House Pet Resort & Training Center

Com apenas uma rápida passagem de olhos, é possível inferir a tese do desenho: a obesidade nos animais de companhia é um problema perigoso e generalizado que os donos não levam suficientemente a sério. Todos os dados incluídos na infografia apoiam esta afirmação, incluindo estatísticas sobre a obesidade dos animais de companhia e a lista de problemas de saúde relacionados com a obesidade.

A visualização de dados é exatamente o que parece. Pega em dados complexos e coloca-os num formato fácil de compreender. Não está concentrado em provar um ponto de vista com a visualização de dados básica. Deixe essa tarefa para um infográfico completo.

A visualização de dados centra-se na apresentação de dados para que o utilizador os compreenda, como no exemplo abaixo.

Gráfico circular da obesidade dos animais de companhia

Fonte: American Kennel Club

Assim, embora um infográfico inclua um elemento de visualização, os dois termos não são a mesma coisa.

Agora que já sabe o básico, vamos passar aos elementos de um bom infográfico.

4 elementos de uma boa infografia (e exemplos de boas e más infografias)

1. Uma boa infografia é fácil de compreender

Os piores infográficos apresentam informações de forma confusa. Basta olhar para estes mapas que comparam os utilizadores de iOS e Android nos EUA.

Infografia iOS vs. Android

Fonte: PC Mag

O exemplo acima facilita a comparação da saturação de cada sistema operativo. O designer reuniu toda a informação num mapa e utilizou cores e símbolos reconhecíveis para representar os dados.

Infografia iOS vs. Android

Fonte: DeviceAtlas

Embora o desenho de dois mapas acima inclua informações mais detalhadas, o facto de os dados estarem divididos em desenhos separados torna a comparação menos impactante e mais difícil de seguir.

Se o seu infográfico não apresentar o seu tópico num formato fácil de compreender, arrisca-se a perder membros valiosos do seu público e a perder a oportunidade de se apresentar como um líder de ideias.

2. Um bom infográfico utiliza o tipo correto de visualização de dados

Não usaria sal quando uma receita pede açúcar, por isso, por que razão usaria um gráfico de linhas quando um gráfico circular comunicaria o seu ponto de vista de forma mais eficaz?

Não são apenas necessários bons dados para evitar fazer maus infográficos. Também é necessário visualizar bem esses dados.

Basta olhar para estes gráficos que destacam as estatísticas sobre a posse de animais de estimação.

No primeiro exemplo, vê-se o que parece ser um gráfico de barras singular que destaca a percentagem de pessoas que têm animais de estimação em cada geração. Sim, tecnicamente o gráfico faz sentido e a matemática funciona, mas a apresentação torna os dados mais difíceis de compreender.

Proprietários de animais de companhia por faixa etária - infografia

Fonte: Spots

Quando os dados são uma parte de um todo, em vez de uma estatística autónoma, é frequentemente melhor ilustrar o ponto com uma forma finita.

É isso que o próximo desenho utiliza. Um círculo não é aberto, e cada dado representa claramente uma parte do bolo.

Infografia sobre a posse de animais de estimação por idade

Fonte: Limonada

Qual é a lição? Faça corresponder o formato da sua visualização de dados aos próprios dados.

3. Um bom infográfico tem alguma forma de organização

Se alguma vez esteve (ou pesquisou no Google) em Times Square, na cidade de Nova Iorque, sabe que há muito para ver. Cartazes brilhantes piscam por todo o lado, mascotes mascaradas disputam a sua atenção e viajantes atarefados abrem caminho por entre a multidão. É muita coisa para ver, especialmente se for a sua primeira vez na cidade.

Não quer imitar a Times Square nos seus designs. É necessária alguma forma de organização ou hierarquia que indique ao utilizador para onde deve olhar primeiro e como deve continuar ao longo da página.

Não se preocupe - não precisa de uma seta grande a piscar para chamar a atenção de alguém. A utilização de cores fortes, texto grande ou mesmo linhas direccionais pode ajudar a chamar a atenção na direção correcta.

No primeiro exemplo abaixo, vê-se que está a acontecer muita coisa. Há várias cores diferentes, uma variedade de tipos de letra, muitas linhas e demasiados ícones.

Infografia sobre o ioga

Fonte: Aliança do Yoga

Passando à frente dos maus exemplos de infografias, o design abaixo facilita o acompanhamento do leitor. Não é necessário passar por uma abundância de texto e ícones, o design tem uma hierarquia clara e os números importantes destacam-se.

Infografia sobre estatísticas do ioga

Fonte: O Bom Corpo

Com menos confusão e mais estrutura, o seu público terá mais facilidade em seguir e compreender as suas mensagens.

Afinal de contas, um infográfico conta uma história. Não quereria que alguém lesse a sua história fora de ordem.

4. Os bons infográficos utilizam elementos visuais que contribuem para a história

O megalitismo que é o filme "Barbie" suscitou muita discussão sobre as tendências do marketing viral. De tal forma que uma grande quantidade de infografias circulou pela Internet.

A equipa da Semrush criou um infográfico que destacou o fenómeno internacional e as suas tácticas de marketing criativas.

Infografia do filme da Barbie

Fonte: LinkedIn

Para além do logótipo identificável, tudo, desde a cor da infografia às formas utilizadas, enfatiza o facto de o marketing do filme ter sido fundamental para o seu sucesso.

Deve fazer o mesmo para evitar fazer infografias más. As cores, as formas, as fotografias, os ícones e todos os outros elementos visuais devem ter algum impacto na história. Não faça escolhas não intencionais.

As palavras e os números não são as únicas coisas que podem contar uma história.

Pronto para surpreender toda a gente com infografias?

Agora que chegou ao fim desta publicação no blogue, será capaz de identificar os elementos das boas e más infografias.

Lembre-se de que dominar as suas capacidades de design leva tempo e até os designers mais experientes se perguntam se as suas criações não serão rotuladas como "as piores infografias de todos os tempos".

Com a prática e as revisões, conseguirá certamente conceber infografias que cativam o seu público.

Vamos gerar resultados Juntos Arqueiro Verde